quarta-feira, 28 de abril de 2010

NOTA: Um Blog Consagrado á Virgem Maria


Oi pessoal, como estão vendo meu nome é THIAGO e sou coroinha e coordenador do Grupo São Miguel Arcanjo, venho por meio desta nota declarar que havera várias mudanças no Blog "Papo de Coroinha" durante todo o mês de MAIO que como todos bem sabem é o mês dedicado a Virgem Maria, a Mãe do nosso Senhor, ao longo do mês o nosso Blog vai ter várias mudanças e também surpreças, claro que não posso adiantar! Mais fiquem ligados!

Consagração
Pelo nosso amor á Rainha dos Anjos queremos neste mês nus entregar especialmente em seus braços, como Jesus que em seu colo encontrou repouso, queremos ser filhos bem aventurados da amada Maria, ela que é a nossa Mãezinha possa nus levar ao Filho, possa nus levar ao Pai, nossa querida Mãe desde consagro este Blog e tudo o que ele contém, consagro o nosso Grupo de Coroinha que a Senhora que é amada tanto pelo nosso Grupo possa nus levar sempre ao Altar, consagro também nossa Comunidade onde servimos, uma Comunidade que ti é consagrada, Mãezinha te entrego todos os grupos, das as pastorais da Comunidade Nossa Senhora de Nazaré, consagro também a nossa Paroquia São Pedro e São Paulo e nossa Arquidiocese da Paraíba, consagro toda Santa Rita, toda Paraíba e o Brasil em teus mãos minha querida mãe, te entrego este Nação coloca este povo em teu colo, Mãezinha, um povo sofredor mais um povo que luta e nunca desiste. Te entrego tudo isto em nome de Jesus. Amém.

Se,liga! Olha o PAPO!


O Papo de Coroinha disponobiliza mais um canal de comunição com todos vocês que viajam em nosso Blog, pode enviar queremos receber seu e-mail e responderemos com muito corinho!
Valeuuuuuuu...

Precisamos da presença das virtudes em nossas vidas

“E se alguém ama a justiça, seus trabalhos são virtudes; ela ensina a temperança e a prudência, a justiça e a força: não há ninguém que seja mais útil aos homens na vida. Se alguém deseja uma vasta ciência, ela sabe o passado e conjectura o futuro; conhece as sutilezas oratórias e revolve os enigmas; prevê os sinais e os prodígios, e o que tem que acontecer no decurso das idades e dos tempos. Portanto, resolvi tomá-la por companheira de minha vida, cuidando que ela será para mim uma boa conselheira, e minha consolação nos cuidados e na tristeza” (Sabedoria 8, 7-9).
O mundo de hoje vive uma grande crise de virtudes. Cresce de modo assustador o grande problema dos vícios, seja ele de qual natureza for: vícios de drogas, entorpecentes, cigarro, álcool, entre outros. Esse tipo de conduta chegou a atingir um ponto tão alarmante que, muitas vezes, temos vergonha de fazer a coisa certa. Não é permitido mais fazer o certo, pois se você está certo, você está errado no conceito do mundo. Além dos vícios físicos, ainda há os vícios da alma. Pensa-se: “Perdoar? Imagine! Eu não preciso de ninguém!”
As pessoas acreditam que a virtude deve se dobrar diante do vício; mas é exatamente o contrário que precisa acontecer: é o vício que deve se dobrar diante da virtude. Por isso, há uma necessidade muito grande da presença das virtudes em nossas vidas.
Hoje, vamos nos aprofundar na que é considerada a mãe das virtudes: a prudência. Não existe nenhuma outra coisa se esta não existe. Pensa-se que prudência é ser cauteloso, mas não é isso que as Sagradas Escrituras nos ensinam. Prudência não é sinônimo de cautela. Prudência é ver e perceber aquilo que realmente é importante; é perceber as coisas a partir da luz de Deus e dar a resposta certa no momento certo. Prudência não é medo; é discernimento. Ela não só nos manda ficar, mas também nos manda ir.
A sabedoria é fruto da prudência, as duas são a mesma coisa. Compreendemos o que é preciso fazer e vamos lá e fazemos. Mas para tomar essa atitude precisamos enxergar. A prudência sabe contornar as situações. Vejamos o exemplo da “Parábola das Dez Virgens Prudentes”, que se encontra em Mateus 25, 1-13:
“Então o Reino dos céus será semelhante a dez virgens, que saíram com suas lâmpadas ao encontro do esposo. Cinco dentre elas eram tolas e cinco, prudentes. Tomando suas lâmpadas, as tolas não levaram óleo consigo. As prudentes, todavia, levaram de reserva vasos de óleo junto com as lâmpadas.
Tardando o esposo, cochilaram todas e adormeceram. No meio da noite, porém, ouviu-se um clamor: Eis o esposo, ide-lhe ao encontro. E as virgens levantaram-se todas e prepararam suas lâmpadas. As tolas disseram às prudentes: Dai-nos de vosso óleo, porque nossas lâmpadas se estão apagando. As prudentes responderam: Não temos o suficiente para nós e para vós; é preferível irdes aos vendedores, a fim de o comprardes para vós. Ora, enquanto foram comprar, veio o esposo. As que estavam preparadas entraram com ele para a sala das bodas e foi fechada a porta. Mais tarde, chegaram também as outras e diziam: Senhor, senhor, abre-nos! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: não vos conheço! Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora”.
Essa passagem bíblica nos mostra bem o que é a prudência. Às vezes, mesmo que tenhamos vontade de ser solidários, não podemos dar algo que vá nos faltar. Muitas vezes, damos de graça aquilo que nos era necessário. Prudência é fruto de Deus, é virtude que vem do Alto.
É fácil saber o que tem de ser feito, a que horas fazer e como fazer? Claro que não. Para cada momento existe uma decisão diferente. Não é sempre a mesma resposta. Se você dá sempre uma mesma resposta para todos os seus problemas, está na hora de ser mais prudente.
Escolher entre o que é bom e ruim no nosso mundo é fácil. Se eu lhe oferecer um pudim cheio de terra e um limpo, qual você vai escolher? É claro que o pudim limpo. Ninguém quer aquilo que não é bom. Por que as pessoas escolhem coisas ruins, então? A escolha entre o bem e o mal é questão apenas de inteligência, nos lembra santo Inácio de Loyola.
Por isso, escolher entre o bem e o mal é questão apenas de sobrevivência. Mas a vida não está baseada simplesmente na escolha do bem. É preciso saber que nem todo bem nos faz bem, nem todo bem faz bem a todos. Isso é o discernimento, é preciso saber escolher entre o bem e o bem devido. Se olhamos, por exemplo, o açúcar, ele é um bem, é bom, mas não faz bem a quem é diabético, nem a quem se recupera de cirurgias. Ou seja, nem todo o bem nos faz bem o tempo todo.
Escolher entre o bem e o bem devido é questão de prudência. Para ser feliz é preciso saber romper com o apego às coisas que são incompatíveis com nossa vida. Essa é a vontade de Deus! Precisamos amadurecer para as escolhas mais difíceis como essa, escolher entre tudo que é bom e encontrar a vontade do Senhor, o bem que nos é devido. Acertar nessa escolha é questão de realização.
A prudência é a mãe de todas as virtudes e é nela que nos encontramos com o Senhor. Ser de Deus não é fácil, mas é possível. Peça a Jesus Cristo prudência para as suas decisões. Amém.

Padre Xavier
Comunidade Canção Nova

A impulsividade nos incita a fazer aquilo que mais nos agrada

Todos os dias, precisamos tomar nossas decisões e algumas delas, às vezes, são assumidas sem profundas avaliações sobre as consequências que poderiam trazer para a nossa vida. Dentro da vida conjugal, com o passar dos anos, vamos percebendo que as decisões vividas em casa são mais tranquilas quando há um consenso entre marido e mulher, as quais vão desde aquilo que será colocado no carrinho de compras até a maneira de educar os filhos.
Divergências podem surgir, especialmente, quando decidimos por nós mesmos o que fazer, pois, diante da possibilidade de erro, o nosso cônjuge poderá nos culpar, dizendo: “Era óbvio que isso não ia dar certo!”. A vida a dois se torna mais fácil quando o casal percebe que a sensatez se encontra na concordância entre marido e mulher, os quais, de maneira harmoniosa, a estabelecem dentro do relacionamento.

Contudo, independentemente do nosso estado de vida: solteiro, casado ou viúvo, no momento em que estamos imbuídos de fazer alguma coisa, a impulsividade nos incita a fazer aquilo que mais nos agrada ou nos parece mais fácil. Na tentativa de fazer acontecer a nossa vontade, focamos nosso objetivo em uma única opção, a qual acreditamos ser a melhor alternativa e, dessa forma, nos arriscamos. Por muitas vezes, obstinados em nossa verdade, fechamos os ouvidos para qualquer outro parecer diferente daquilo que achamos ser o certo; e cegos nesse propósito, podemos perder a noção sobre a real importância do que decidimos realizar.
Como indivíduos, temos o direito de formar nossa própria opinião acerca das coisas, mas temos de ter noção dos impactos causados por nossas atitudes em nossas vidas, como também na vida daqueles que estão ao nosso lado. No trânsito, vemos, com frequência, conversões perigosas, ultrapassagens forçadas, simplesmente para economizar alguns minutos, muitas vezes, em nada significativos para a viagem. Todavia, estariam os passageiros desses veículos cientes e unânimes em acolher para si as consequências da decisão assumida pelo motorista?
Sabemos que algumas atitudes impensadas, tomadas deliberadamente por nós, de alguma maneira, tiveram grandes consequências, cujos reflexos ainda repercutem em nossas vidas, no ambiente de trabalho, na família e até podem ter ofuscado nossa imagem perante outras pessoas.

Diante das futuras situações, simples ou complexas, tomemos como tática a partilha de opiniões com o outro sobre aquilo que pretendemos fazer. Assim, evitaremos que a ausência de sensatez nos faça tomar os pés pelas mãos com atitudes que poderão comprometer a nós e ao nosso semelhante. Para isso, colher informações sobre os fatos, estudar o que temos nas mãos, determinar os prós e os contras sobre aquilo que se pretende assumir são sinais de maturidade, equilíbrio e prudência.

Dado Moura
contato@dadomoura.com

terça-feira, 27 de abril de 2010

Em Breve...


A Programação do Mês de Maio na Comunidade Nossa Senhora de Nazaré!
Espere...

Vem aí...


A Virgem Maria

Vem aí uma série de postagens sobre a Virgem Maria, conheça melhor a sua e a minha Mãezinha, você concerteza tera um novo olhar e vera as coisas e o mundo de com um jeito novo, este a a novidade que o Papo de Coroinha traz pra você este mês tão lindo que vai chegar que é Maio, o mês da Virgem Maria então neste periodo você sera que havera mudanças no nosso Blog, amamos muito a Virgem Maria e estamos em festa pois a nossa Festa é a Mãe de Jesus e seu filho muito amdo.
Que a Virgem Maria te cubra com seu manto protetor, que ela que em seus braços acolheu Jesus ela também possa te acolher em seus braços, ela te chama, é a Mãe do teu Senhor vêm descançar em seus braços ela ti ama e tu és o discipulo mais amado que hoje está aos pés da Cruz tento a certeza da Ressurreição!
Confira a Série de Postagens Marianas!

As últimas Promessas de Jesus

Santo Agostinho (†430), recomendava aos jovens do seu tempo:
"Parece-me salutar fazer essas recomendações aos jovens estudiosos, inteligentes e tementes a Deus, que procuram a vida bem-aventurada: que não se arrisquem sob o pretexto de tender à vida feliz e que não se dediquem temerariamente a seguir doutrina alguma das que se praticam fora da Igreja de Cristo."
Na última vez que Jesus esteve com os seus Apóstolos, na última Ceia, na hora do adeus, antes de sofrer a sua paixão, garantiu-lhes a infalibilidade para conhecer e ensinar a verdade que salva.

Desde o capítulo 13 até o 17 São João narra no seu Evangelho tudo o que aconteceu naquela Ceia memorável onde o Senhor instituiu o Sacerdócio e a Eucaristia. Esses cinco capítulos (13 a 17) revestem-se de uma importância especial, já que são as "últimas palavras e recomendações" de Jesus à Igreja.
É fácil compreender a sublimidade desta hora. Pois bem, nesta noite sagrada o Senhor lhes garante a infalibilidade por três vezes, segundo narra São João, testemunha ocular daqueles acontecimentos. Jesus começa dizendo aos Apóstolos:
"Eu rogarei ao Pai e Ele vos dará um outro Advogado, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós"(Jo 14,16-17).

Que garantia maior de infalibilidade Jesus poderia ter dado à Sua Igreja, do que deixar nela o Seu próprio Espírito, que Ele chama de Espírito da Verdade? Se Ele permanecerá com a Igreja, "eternamente", como ela poderia errar em matérias essenciais à nossa salvação?
É preciso notar que Jesus disse que o Espírito Santo seria dado "para que fique eternamente convosco." E garantiu ainda que Ele ficaria com a Igreja e estaria na Igreja. "Permanecerá convosco e estará em vós."
Para aceitarmos que a Igreja tenha errado o caminho da verdade, como quiseram Lutero e seus seguidores, depois de 1517 anos, seria preciso antes concordar que o Espírito Santo, "o Espírito da Verdade", tenha abandonado a Igreja. Mas isto jamais poderia ter acontecido, pois Ele foi dado para ficar "eternamente convosco".
As promessas de Jesus para a Sua Igreja são infalíveis, porque Jesus não é um farsante e nem um mentiroso. Naquela hora memorável que antecedia a Sua paixão, Ele não estava brincando com os seus Apóstolos e com a Sua Igreja. Ele se despedia dela com as suas últimas e mais importantes promessas, para em seguida sofrer, por amor a ela, a sua dolorosa paixão.
Infelizmente o orgulho e a soberba espiritual cegam os olhos da alma e não deixam que suas vítimas enxerguem essa verdade. Em que pese os pecados dos seus filhos, mesmo assim, a Igreja jamais perdeu o domínio da verdade.

Papo Rápido: Por que estudar o Antigo Testamento?

É preciso entender a ligação existente entre os livros contidos no Antigo e no Novo Testamento.
De maneira equivocada, muitos cristãos acreditam que não é necessário estudar o Antigo Testamento porque Jesus veio substituí-lo.
É por meio da parte mais antiga da Bíblia que conhecemos o anúncio profético da vinda de Cristo, simbolizado por várias imagens, e também por meio de seus livros tomamos conhecimento do povo escolhido por Deus, que os fez depositários de Suas promessas e para os quais o Senhor se revelou de maneira misericordiosa e justa.

Denis Duarte
contato@denisduarte.com
Denis Duarte Especialista em Bíblia e Cientista da Religião.

Orai e Vigiai

Senhor, que eu possa ser santo e a cada dia buscar-te em santidade, me ensina a ser santo meu amado, me faz santo! Quero te buscar mais e mais e a cada momento de servir, te adorar, pois o meu amor prazer é te glorificar, a ti seja dada toda a glória meu amado Deus!
Sei que tu fazes o impossível em minha vida, sei que em ti tudo posso, sei que posso transpor as montanhas mais altas para te contemplar, não permita Senhor que o mundo venha nos destruir, não deixe Senhor que este mundo imundo me contamine com seus pecados e toda sua idolatria, só tu és Senhor!
Senhor, o teu nome este acima de todo nome e creio que tu poder mudar esta situação, meu amado Deus, sei que tu podes enviar os teus anjos para tocar no coração daqueles que podem me ajudar, Senhor te peço muda esta situação que vivo, tu sabes meu Amado, só tu sabes do que eu mais preciso, então te peço visita-o Senhor com teus anjos e com a Virgem Maria, vai minha Mãezinha onde ele está cota-o para que ele possa sair do comodismo e servir aqueles que mais precisam.
Peço que pelas mãos da Virgem Maria seja derramada toda graça, toda glória do céu que vêm de seu divino Filho, que Jesus o meu Senhor possa estar comigo este momento. Amém!

C.V. M

segunda-feira, 26 de abril de 2010

PHN no MUNDO


Jovem consagrado fala da sua experiência de viver

'Maldito é aquele que faz a obra do Senhor com desleixo' (Jr 48,10).

Com esta palavra gostaria de partilhar o meu PHN aqui em Roma onde estou em missão por escolha do bom Deus. Estando em Roma o risco que corro é de viver como turista, como uma pessoa que está aqui somente por passeio, e não por uma busca daquele que é o Senhor de tudo.
Trabalho com gravações, passo por vários lugares santos, vejo milagres, obras e muitas outras coisas que são de grande importância para nossa fé e para o mundo. Com isto não me permito viver somente como um profissional ou um curioso de acontecimentos, mas sempre recordo para mim mesmo que antes de um profissional sou um consagrado, e por isso antes de qualquer gravação busco o objetivo da gravação, o objetivo do por que Deus me colocou naquele lugar, e assim é o meu coração que grava todas aquelas maravilhas onde eu estou. Percebo que neste momento Deus salva em primeiro lugar a mim mesmo, antes que o programa chegue para o povo pelo qual fui consagrado.

Lembro aqui de um fato curioso: uma vez eu fui fazer uma gravação em Lanciano, uma cidade do leste da Itália, local onde está o Milagre Eucarístico, onde o pão e o vinho se transformaram em carne e sangue coagulado, isto ha mais de 700 anos.
Logo que cheguei e estava comigo meu irmão de comunidade o Laércio, carinhosamente 'pretinho', começamos literalmente a tremer, choramos e sentimos vergonha de estar ali diante de um milagre tão grande: era o próprio Jesus. Quando me deparei com tudo aquilo pedi ao bom Deus que me banhasse com sua misericórdia por tantos pecados que eu tinha e que aquela gravação fosse para mim um retomada de vida, uma volta à minha radicalidade, que eu me convertesse de verdade. Foi uma experiência muito grande pois foi um marco. Percebi que aumentou em mim a atenção e o cuidado de gravar os lugares santos.
Viver o PHN é para mim não viver o desleixo com o meu trabalho, ou mesmo não fazer por fazer. Vivo como se fosse o primeiro e o último momento da minha vida. Vejo que muito mais do que gravar nestes lugares é não me permitir realizá-lo de qualquer jeito.

Outro fato foi no Congresso Internacional de Comunidades em Bari, cidade localizada mais para o sul da Itália. Estava lá o Pe. Jonas, e uma das atividades do Congresso era conhecer a cidade , pois é uma das mais antigas da Itália. O Padre aproveitou deste momento e me disse: ' - Meu filho nós iremos gravar isto tudo, não é?'
Naquele momento tudo dentro de mim tremeu, pois eu estava sozinho como câmera, para carregar todo o equipamento . Eu era o próprio 'monte de indisposição'. Naquela hora o PHN foi aceitar com toda a alegria do mundo a proposta do Padre, pois eu sabia que se eu dissesse que não daria certo por motivo de poucas baterias ou por outra coisa, ele entenderia. Mas a gravação foi maravilhosa, pois o PHN me incentivou e porque tive um grande repórter, produtor, auxiliar de câmera que se chama Pe. Jonas Abib.
Foi uma aula de espiritualidade e de companheirismo. Se eu não me dispusesse viver o PHN naquele momento eu não experimentaria tudo aquilo que vivi. Digo que o PHN não é difícil vivê-lo, basta ter disposição e querer colocá-lo em prática. Assim Deus faz o resto e nos presenteia com grandes carinhos que Ele mesmo nos dá.


Marcos Jolbert - Comunidade Canção Nova/ Roma

Estudo, namoro, espiritualidade, como conciliar?


Jovem consagrado afirma que é possível conciliar suas obrigações com a religião

Esta é uma pergunta que vários jovens se fazem. Gostaria de partilhar com você, minha realidade como membro da Comunidade Canção Nova, universitário e namorado.
Para conciliar estas missões não é nada fácil, realmente! Faço jornalismo em Lorena (SP), estudando de segunda a sábado e convivendo com as realidades normais de toda Universidade. Trabalho normalmente e namoro nos finais de semana.
Não é porque sou da Canção Nova, que deixo de ter as minhas dificuldades e limitações. Sou ser humano como você! É aí que quero tocar; quando os problemas vêm, é onde Deus quer entrar e Deus só entra onde tem abertura.

O que tem priorizado? Será que no emaranhado em que vive, você tem visto a vontade de Deus? Organize-se, priorize o seu tempo de oração, procure escutar Deus! Saiba que, muitas vezes, o coração quer falar mais que a razão e se não tivermos as rédeas de nossos sentimentos, eles podem nos trair.
O segredo é se doar por inteiro, a cada momento que vive ou tem oportunidade de viver. Se é tempo de rezar, reze... e se doe na oração. Se está na hora de trabalhar, trabalhe... e louve a Deus por possuir um trabalho. Se é tempo de estudar, estude; dedique- se para ser o melhor profissional. Se é tempo de namorar, namore, dê atenção, aproveite o tempo que tem de uma forma sadia e casta.
Priorizando sua oração, você rende no trabalho, nos estudos, no namoro. Não tente mudar os planos de Deus, adapte-se a eles! Ele tem o controle de tudo e nenhuma provação nos é dada senão tivermos condição de suportá-la.

Raphael Leal - Com. Canção Nova

Eu quero Deus!

"Não sou eu que vivo, mas Cristo que vive em mim"

Foi no mês de novembro de mil novecentos e setenta e sete que o Padre Jonas, reunido com um grupo de jovens de nossa Diocese, pregou durante o fim de semana inteiro sobre o “Senhorio de Jesus Cristo”. Era um grupo de moças e rapazes que vinham de suas cidades todos os meses, durante dois anos seguidos, para participar do Catecumenato, um curso de Doutrina, baseado no documento do Papa Paulo VI, sobre a Evangelização no Mundo Contemporâneo, o que nos preparou para o grande desafio de assumir, na nossa vida prática, Jesus como nosso único Senhor. O ponto de partida e o ponto de chegada da nossa caminhada: “Nenhum de nós vive para si mesmo ou morre para si mesmo. Se estamos vivos, é para o Senhor que vivemos, e se morremos, é para o Senhor que morremos. Vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor. Cristo morreu e ressuscitou para ser o Senhor dos mortos e dos vivos” (Rm 14, 7-9).
No início de nossa caminhada, vivíamos longe de Jesus; fechados em nós mesmos, inclinados a uma maneira egoísta de vida. Buscávamos nossa própria satisfação, sem perspectiva alguma de eternidade.

Viver “para o Senhor”, no entanto, significa tê-Lo como o sentido da própria existência, se alimentando da vida que vem do Seu Espírito. Minha vida, agora, gira em função Dele, para a Sua glória. Acontece conosco uma virada na escala de valores: não mais “eu”, mas “Deus”: “Não sou eu que vivo, mas Cristo que vive em mim”(Gl 2,20). É um exercício constante de descentralizarmos de nós mesmos, para centralizarmos em Jesus. É “uma revolução Jesus”, como Padre Jonas se expressava a nós, jovens.
Escreve São Paulo: “Estou persuadido de que nem a morte nem a vida... poderá separar-nos do amor de Deus, Cristo Jesus, Nosso Senhor” (Rm 8,38). “Para quem crê, a vida e a morte física são unicamente duas fases e duas maneiras diferentes de viver para o Senhor e com o Senhor: a primeira na fé e na esperança, à espera das primícias; a segunda, na qual se entra com a morte na posse plena e definitiva” (Raniero Cantalamessa) .

Quem assim aceita viver “para o Senhor” vai colhendo em sua vida os frutos da alegria e da esperança, pois a própria alegria do Senhor torna-se viva nele: “Eu vos disse estas coisas para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja total” (Jo 15,11).
Como um escravo faz com seu senhor, Deus espera que entreguemos em Suas mãos a nossa liberdade, para realizar em nós grandes coisas. Assim foi com Maria; assim foi com a Beata Ângela de Folígno, quando, num momento de grande decisão de sua alma, ouviu no seu interior uma voz que lhe dizia: “Ângela, que queres?” e ela, com toda força, exclamou: “Quero Deus!”. Deus respondeu: “Eu darei cumprimento a esse teu desejo”. Com esta exclamação, ela renunciou a própria liberdade e sobre esta renúncia, Deus construiu a maravilhosa aventura de santidade que os tempos não puderam apagar. “Já que somos do Senhor, vivamos portanto para o Senhor!”

Luzia Santiago - Comunidade Canção Nova

Ele nos revela as Escrituras!


'Como outrora aos discípulos, ele nos revela as escrituras e parte o pão para nós'.

Esta proclamação de uma das Orações Eucarísticas para o dia do Senhor, chamou-me a atenção de forma especial neste mês. É Jesus que quer nos fazer conhecer toda a História da Salvação!
Aqueles dois caminhantes iam para Emaús, conversando sobre os “últimos acontecimentos”, sem entender o porque de tudo; quando Jesus se aproxima, eles nem o reconhecem de tristeza.
Assim somos nós diante dos fatos que nos cercam. Incapazes de reconhecê-Lo, por que “seus olhos estavam vendados”, descrevem-Lhe todo o acontecido, até que, desgastados de tantos comentários, se põem a ouvi-Lo. Jesus, em primeiro lugar, os questiona sobre o valor do sofrimento e da cruz, para chegar à experiência da Glória Divina; e depois, “começando por Moisés, passando por todos os profetas, explicou-lhes em todas as Escrituras as passagens que se referiam a ele”. (Lc 24,27)

São lindas as iniciativas de Jesus para nos abrir os olhos para a esperança! É lindo o empenho de Jesus de revelar a nós, para nos fazer ver além dos nossos fracassos e sofrimentos sem explicação humana. Com paciência, Ele vai nos tocando, até percebermos, como aqueles dois discípulos: “Não estava ardendo nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?”
Se quisermos encontrar sentido para o que vivemos e passamos, precisamos aceitar que Jesus caminhe conosco e vá se revelando pouco a pouco pelo caminho.
Veja o que se deu comigo: a uns dias atrás, sentia-me desanimada e abatida, sem brilho e coragem para reagir aos embates do meu cotidiano. Fazia um trabalho no computador, quando parei um instante e pensei: “Jesus, faz tempo que não Lhe peço uma palavra pela Bíblia, embora eu ore com ela todos os dias; mas, hoje, eu preciso de uma direção para este momento que estou passando”. Então, abri minha Bíblia nova, tradução da CNBB, e meus olhos foram bem ao pé da página onde estava escrito:

“Não entregues tua alma à tristeza e não te aflijas com tuas preocupações. A alegria do coração é a vida da pessoa, tesouro inesgotável de santidade, a alegria da pessoa prolonga-lhe a vida. Tem compreensão contigo mesmo e consola teu coração; afugenta para longe de ti a tristeza. A tristeza matou a muitos e não traz proveito algum, o ciúmes e a raiva abreviam os dias, como a preocupação traz a velhice antes do tempo. Um coração luminoso e bom está num continuo festim; seus manjares são preparados com capricho”. (Eclo 30,22-27)
Eu já conhecia este texto, pois muitas vezes meditei sobre ele; só que, desta vez, o Senhor me visitou com ele, dando-me a direção para esta etapa da minha estrada. Com serenidade acolhi, e, sem mais, passei a pô-la em prática. É isto: “como outrora aos discípulos, ele nos revela as Escrituras e parte o pão para nós”, pois o cume de quem recebe a Palavra é participar com Ele do Banquete.
Deixemos o Divino Peregrino se aproximar de nós, fazer parte dos “últimos acontecimentos” da nossa vida. Permitamos que Ele se revele a nós na Sua Palavra. Deixemos o nosso coração se abrasar, nos encontrando com Jesus nas Sagradas Escrituras!

Luzia Santiago - Comunidade Canção Nova

Quem é mais forte: o amor ou o poder?


A gentileza e a bondade são sempre mais fortes

Certa vez, disse para uma amiga: “Não desista de viver a bondade!” Passaram-se anos e há poucos dias ela me disse: “Nunca mais esqueci suas palavras e tenho deixado-me conduzir por elas, as quais permanecem como eco em minha memória”.
A princípio, fiquei somente surpresa por ela ter se recordado tão vivamente do conselho, mas depois percebi que era mais que isso. Em suas palavras, percebi o Senhor atualizando o recado também para minha vida. Em um mundo no qual se coloca em evidência aquilo que não é bom, se não estivermos alicerçados em princípios de fé e esperança, correremos o risco de nos deixar levar pela maldade e agir pela força dos argumentos da razão, desistindo facilmente de ser bons.
Hoje falei sobre isso em um dos programas que apresento na Rádio Canção Nova e resolvi ampliar a partilha na intenção de que ela chegue ao seu coração. Eu acredito no poder da bondade! Posso dizer, por esperiência própria, que o amor é mais forte do que o poder do mal.
Existe uma fábula atribuída a Esopo que pode ilustrar essa partilha e eu a apresento aqui:
"Conta-se que o sol e o vento discutiam sobre qual dos dois era mais forte.
O vento disse:

- Provarei que sou o mais forte.
Vê aquela mulher que vem lá embaixo com um lenço azul no pescoço?
Aposto como posso fazer com que ela tire o lenço mais depressa do que você.
O sol aceitou a aposta e recolheu-se atrás de uma nuvem.
O vento começou a soprar até quase se tornar um furacão, mas quanto mais ele soprava,
mais a mulher segurava o lenço junto a si.
Finalmente, o vento acalmou-se e desistiu de soprar.
Então, o sol saiu de trás da nuvem e sorriu bondosamente para a mulher.
Com este gesto, ela imediatamente esfregou o rosto e tirou o lenço do pescoço.

O sol disse, então, ao vento:
- Lembre-se disso: A gentileza e a bondade são sempre mais fortes que a fúria e a força".

Acredito que, com essa narrativa, Deus está nos dando hoje a direção para vencermos os obstáculos de nossa vida. Não com a força, não com a fúria, mas com a gentileza, com o sorriso, com a bondade, com a paciência, com o amor e o perdão, é assim que venceremos!
Não sei em qual etapa da vida você se encontra, quais são os desafios que tem enfrentado, mas acredito que Jesus, o “Homem bom por excelência” , pode e quer nos ajudar a darmos uma resposta diferente, fazendo opção pela bondade. A Palavra do Senhor diz: "Não pela força, nem pela violência, mas pelo Meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos [...]" (Zacarias 4,1-10).

E o Espírito de Deus nos conduz somente àquilo que é bom, justo e nobre.
Que tenhamos a coragem e a disposição para expressar a bondade que está em nós e pode chegar a muitos corações a partir da nossa decisão e coragem de ser um pouco melhores a cada dia. Eu estou tentando. E você?
Busquemos, juntos, neste dia, dar a vitória à bondade. A força dessa virtude, passando por nossos pequenos gestos, pode fazer grande diferença.

Dijanira Silva
dijanira@geracaophn.com
Dijanira Silva Missionária da Comunidade Canção Nova,
 em Fátima, Portugal. Trabalha na Rádio CN FM 103.7

domingo, 25 de abril de 2010

Por que não pode receber o matrimônio quem não pode ter vida sexual?

Algumas pessoas nos fazem esta pergunta.O Código de Direito Canônico da Igreja impede a celebração do matrimônio no caso de um dos pretendentes não poderem ter vida sexual; de maneira permanente, definitiva e confirmada pelos médicos. Diz o Código:

Cân. 1084 - §1. A impotência para copular, antecedente e perpétua, absoluta ou relativa, por parte do homem ou da mulher, dirime o matrimônio por sua própria natureza.

§2. Se o impedimento de impotência for duvidoso, por dúvida quer de direito quer de fato, não se deve impedir o matrimônio nem, permanecendo a dúvida, declará-lo nulo.

§3. A esterilidade não proíbe nem dirime o matrimônio, salva a prescrição do cânon 1098.

Para algumas pessoas isto pode parecer falta de caridade da Igreja, mas não é; é apenas uma exigência da própria essência do matrimônio. Como diz o Cânon 1084, a falta da vida sexual “dirime (anula) o matrimônio por sua própria natureza”. O matrimônio tem como principal finalidade, sem excluir outras, a geração dos filhos; e isto só pode ser obtido pelo ato sexual do casal, no entendimento da Igreja. Segundo o Catecismo da Igreja, este é “ato fundante” da vida do filho. Sobre isso diz o Catecismo: §2376 – As técnicas que provocam uma dissociação do parentesco, pela intervenção de uma pessoa estranha ao casal (doação de esperma ou de óvulo, empréstimo de útero), são gravemente desonestas. Estas técnicas (inseminação e fecundação artificiais heterólogas) lesam o direito da criança de nascer de um pai e uma mãe conhecidos dela e ligados entre si pelo casamento. Elas traem “o direito exclusivo de se tornar pai e mãe somente um através do outro” (CDF, instr. DV, 2,1).

§2377 – Praticadas entre o casal, essas técnicas (inseminação e fecundação artificiais homólogas) são talvez menos claras a um juízo imediato, mas continuam moralmente inaceitáveis. Dissociam o ato sexual do ato procriador. O ato fundante da existência dos filhos já não é um ato pelo qual duas pessoas se doam uma à outra, mas um ato que “remete a vida e a identidade do embrião para o poder dos médicos e biólogos, e instaura um domínio da técnica sobre a origem e a destinação da pessoa humana. Uma tal relação de dominação é por si contrária à dignidade e à igualdade que devem ser comuns aos pais e aos filhos” (CDF, instr. DV, II,741,5). “A procriação é moralmente privada de sua perfeição própria quando não é querida como o fruto do ato conjugal, isto é, do gesto específico da união dos esposos… Somente o respeito ao vínculo que existe entre os significados do ato conjugal e o respeito pela unidade do ser humano permite uma procriação de acordo com a dignidade da pessoa” (CDF, instr. DV, II,4).

Por outro lado, o matrimônio é consumado pelo ato sexual do casal. Logo, se este não pode realizar o ato próprio dos casais, o matrimônio não seria consumado. Isto é que impede a sua celebração. Isto mostra que a Igreja leva a sério a vida sexual e a valoriza; se de um lado não quer que haja vida sexual sem casamento, por outro lado não deseja que haja casamento sem vida sexual.

É bom notar que em caso duvidoso, o casamento deve ser celebrado e nem deve ser declarado nulo em caso de dúvida. Somente os casos comprovados pela medicina, de maneira definitiva e irreversível, impedem o matrimônio. Da mesma forma, a esterilidade não impede a celebração do matrimônio, pois esta pode ser possivelmente vencida com tratamentos.
De forma alguma é falta de caridade da Igreja para com os que têm este impedimento; é uma questão ligada à natureza do Sacramento do matrimônio, que se não atendida poderia torná-lo nulo. Se os dois pretendem viver juntos, podem fazê-lo, vivendo como irmãos, sem vida conjugal e matrimonial.
A Igreja sabe que sem observar a verdade, a caridade fica prejudicada e a salvação comprometida.

Prof. Felipe Aquino – www.cleofas.com.br

A Devoção do Escapulário de Nossa Senhora do Carmo

A Igreja celebra hoje (16 de julho) a memória de Nossa Senhora do Carmo; uma devoção tão querida do povo católico em todo o mundo, juntamente com a devoção do sagrado Escapulário. É muito antiga e conhecida a ordem dos Carmelitas, uma das mais antigas na história da Igreja. Suas raízes vêem do profeta Elias que viveu no monte Carmelo na Terra Santa.

“O Carmo – disse o cardeal Piazza, carmelita – existe para Maria e Maria é tudo para o Carmelo, na sua origem e na sua história, na sua vida de lutas e de triunfos, na sua vida interior e espiritual.” Diz o “Livro das instituições” dos primeiros monges: “Em lembrança da visão que mostrou ao profeta a vinda desta Virgem sob a figura de uma pequena nuvem que saía da terra e se dirigia para o Carmelo (cf. 1Rs 18,20-45) os monges, no ano 93 da Encarnação do Filho de Deus, destruíram sua antiga casa e construíram uma capela sobre o monte Carmelo, perto da fonte de Elias em honra desta primeira Virgem voltada a Deus.

Na Bíblia aparece com destaque o Monte Carmelo, que separa a Palestina da região de Tiro. Sua elevação e beleza é relatada no livro do Cântico dos Cânticos: “Tua cabeça é como o Carmelo” (Cant. 7,5). Até os pagãos veneravam este Monte, pois escritor romano Tácito diz que havia ali um altar e Suetônio narra que o Imperador Romano Vespasiano aí ofereceu um sacrifício. No tempo do profeta Elias foi o local de sua vitória sobre os sacerdotes de Baal. Ali surgiu uma nuvem, sinal da providencial chuva anunciada por Elias ao rei Acab (1Reis 19,44). Esta nuvem foi interpretada como o prenúncio da chuva de graças que Maria faria cair para os que a amam e veneram.
O Monte Carmelo foi morada e refúgio freqüente do profeta Eliseu e Nossa Senhora é o “Refúgio dos Pecadores”. Os discípulos dos referidos profetas viveram nas fraldas deste Monte e foram, por assim dizer, os antecessores dos carmelitas de todas as eras.

Na época das Cruzadas, na Idade Média, para lá se dirigiram muitos cristãos e através de uma lenta formação deram origem à atual Ordem carmelita fundada em 1180. Sob a invocação de Santo Elias lá se edificou um Convento, depois transformado
em Hospital. Quem viaja ao Oriente não deixa de visitar o formoso mosteiro a quinhentos metros sobre o nível do mar com uma belíssima Igreja. Debaixo do altar, há uma gruta chamada de Elias onde se celebram Missas.
Os monges carmelitas foram expulsos pelos sarracenos mulçumanos no século XIII; eles tinham recebido do patriarca de Jerusalém, santo Alberto, então bispo de Vercelli, uma regra aprovada em 1226 pelo papa Honório III; se voltaram, então, para o Ocidente e aí fundaram vários mosteiros, superando várias dificuldades, nas quais porém, puderam experimentar a proteção da Virgem. Segundo a tradição carmelita, foi a 16 de julho de 1251 que a Virgem Maria teria aparecido a Simão Stock em Cambridge, na Inglaterra, lhe entregando o escapulário. Simão Stock era o superior geral dos Carmelitas, de vida santa e grande atividade apostólica.

Um acontecimento particular sensibilizou os devotos: “Os irmãos suplicavam humildemente a Maria que os livrasse das insídias infernais. A um deles, Simão Stock, enquanto assim rezava, a Mãe de Deus apareceu acompanhada de uma multidão de anjos, segurando nas mãos o Escapulário da ordem e lhe disse: “Eis o privilégio que dou a ti e a todos os filhos do Carmelo: todo o que for revestido deste hábito será salvo.”
Há uma tradição antiga do chamado “privilégio sabatino” de que as almas devotas do Escapulário, e que morrerem com ele, serão livres do inferno e livres do purgatório no primeiro sábado após a morte. Alguns papas recomendaram a devoção ao Escapulário. Numa bula de 11 de fevereiro de 1950, Pio XII convida a “colocar em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o Escapulário que está ao alcance de todos”: entendido como veste mariana, esse é de fato um ótimo símbolo da proteção da Mãe celeste, enquanto sacramental extrai o seu valor das orações da Igreja e da confiança e amor daqueles que o usam.

O Escapulário foi inicialmente uma vestimenta de trabalho dos monges beneditinos e se tornou o símbolo dos frades. Com o surgimento das Ordens Terceiras, ou seja, Ordens religiosas destinadas a leigos, agregadas a uma grande ordem monástica, apareceram grandes e pequenos escapulários como sinal de união àquele grupo religioso. Através da devoção do Escapulário muitas graças têm sido obtidas: há muitos testemunhos em todo o mundo de pessoas salvas da morte, de doenças, de perigos; casas livres de incêndio e assaltos, etc. ; os benefícios espirituais, a santificação dos devotos, muitas conversões através dos tempos, mostram que Nossa Senhora se serve deste sacramental para ajudar e salvar as almas.
É importante dizer que o Escapulário não pode ser usado apenas como um objeto “mágico” ou como um “amuleto que dá sorte”, mas supõe sempre a disposição do católico em cooperar com os auxílios da graça de Deus, evitando o pecado e observando os Mandamentos.

Prof. Felipe Aquino – www.cleofas.com.br

O SANTÍSSIMO NOME DE MARIA


A Liturgia celebra hoje, 12 de setembro, o Nome Santíssimo da Virgem Maria (Miryam, em hebraico). O objetivo dessa festa é que os fiéis possam se recomendar a Deus, de modo especial, por intercessão de Sua Santíssima Mãe, as necessidades da Igreja e as próprias necessidades, e agradecer a Deus pelas graças recebidas por intermédio de Sua Mãe. Esta festa foi concedida na Espanha em 1513 e espalhou-se por todo o país; em 1683 o Papa Inocêncio XI a estendeu para toda a Igreja do Ocidente, como um ato de ação de graças pelo levantamento do cerco de Viena e a derrota dos turcos por João Sobieski, rei da Polônia. Na época ela foi estabelecida para o domingo dentro da oitava da Natividade de Nossa Senhora; hoje se celebra na data do triunfo de Sobieski. O nome de uma pessoa é algo muito importante na Bíblia, pois representa a própria pessoa. Certamente São Joaquim e Santa Ana foram inspirados pelo Céu para escolher esse Nome à Virgem que seria um dia a Mãe do Redentor e nossa Mãe.

São Lucas registra: “O nome da Virgem era Maria”. O anjo enviado por Deus diz a ela: “não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus”. Segundo os mariólogos o nome Miryam pode ter origens diversas: “Uns derivam o nome da raiz mery, da língua egípcia e significa mui amada. Outros dizem que provém do siríaco e quer dizer senhora, opinião de pouca solidez. A sentença mais freqüente é a que o deriva do hebraico. Dentro desta língua cabem muitas interpretações. Assim se enumeram as seguintes: “Mar amargo e rebelião; Gota do mar; Senhor de minha linhagem; Estrela do Mar; Esperança; Excelsa ou sublime; Pingue, Robusta; Amargura e Mirra”. O Cônego José Vidigal, citando Fraine, diz que “apesar de sessenta tentativas que já foram feitas a etimologia científica do nome de Maria continua incerta”.

Mais importante do que o significado exato desse Nome, é que é um Nome Poderoso, por ser o da Mãe de Deus; e que deve ser invocado sempre. O Padre Antônio Vieira diz: “Só vos digo que invoqueis o nome de Maria quando tiverdes necessidade dele; quando vos sobrevier algum desgosto, alguma pena, alguma tristeza; quando vos molestarem os achaques do corpo, ou vos não molestarem os da alma; quando vos faltar o necessário para a vida ou desejardes o supérfluo para a vaidade; quando os pais, os filhos, os irmãos, os parentes se esquecerem das obrigações do sangue; quando vo-lo desejarem beber a vingança, o ódio, a emulação, a inveja; quando os inimigos vos perseguirem, os amigos vos desampararem, e donde semeastes benefícios, colherdes ingratidões e agravos; quando os maiores vos faltarem com a justiça, os menores com o respeito, e todos com a proximidade; quando vos inchar o mundo, vos lisonjear a carne, e vos tentar o demônio, que será sempre e em tudo; quando vos virdes em alguma dúvida ou perplexidade, em que vós não saibais resolver nem tomar conselho; quando vos não desenganar a morte alheia, e vos enganar a própria, sem vos lembrar a conta de quanto e como tendes vivido e ainda esperais viver; quando amanhecer o dia, sem saberdes se haveis de anoitecer, e quando vos recolherdes à noite, sem saber se haveis de chegar à manhã; finalmente, em todos os trabalhos, em todas as aflições, em todos os perigos, em todos os temores, e em todos os desejos e pretensões, porque nenhum de nós conhece o que lhe convém; em todos os sucessos prósperos ou adversos, e muito mais nos prósperos, que são os mais falsos e inconstantes; e em todos os casos e acidentes súbitos da vida, da honra, da fazenda, e, principalmente, nos da consciência, que em todos anda arriscada, e com ela a salvação. E como em todas estas coisas, em cada uma delas necessitamos de luz, alento e remédio mais que humano, se em todas e cada uma recorrermos à proteção e amparo da mãe das misericórdias, não há dúvida que, obrigados da mesma necessidade, não haverá dia, nem hora, nem momento em que não invoquemos o nome de Maria”. (apud Con. Vidigal)São Bernardo, Dr. da Igreja dizia e rezava assim: “Seguindo-a não te desviarás”:

“Maria é essa Estrela esplêndida que se eleva sobre a imensidão do mar, brilhando pelos próprios méritos, iluminando por seus exemplos. Ó tu, que te sentes, longe da terra firme, levado pelas ondas deste mundo, no meio dos temporais e das tempestades, não desvies o olhar da luz deste Astro, se não quiserdes perecer. Se o vento das tentações se elevar, se o recife das provações se erguer na tua estrada, olha para a Estrela, chama por Maria. Se fores sacudido pelas vagas do orgulho, da ambição, da maledicência, do ciúme, olha para a Estrela, chama por Maria. Nos perigos, nas angústias, nas dúvidas, pensa em Maria, invoca Maria. Que seu nome nunca se afaste de teus lábios, que não se afaste de teu coração; e, para obter o auxílio da sua oração, não te descuides do seu exemplo de vida. Seguindo-a, terás a certeza de não te desviares; suplicando-lhe, de não desesperar; consultando-a, de não te enganares. Se ela te segurar, não cairás; se te proteger, nada terás de temer; se te conduzir, não sentirás cansaço; se te for favorável, atingirás o objetivo.”

Prof. Felipe Aquino – www.cleofas.com.br

Visão de Santa Ângela de Foligno

Visão de Santa Ângela de Foligno no dia da Apresentação do Senhor
Eis chegada a hora em que Maria, Virgem e Rainha, veio ao Templo com seu Filho.
Era o dia da Purificação da Virgem. Eu estava em Foligno, na Igreja dos Frades Menores. Subitamente, ouvi uma voz a me dizer: “Eis a hora em que Maria, Virgem e Rainha, veio ao Templo com seu Filho”. Minha alma ouviu com grande amor e, tendo ouvido, ficou extasiada; e, em pleno arrebatamento, vislumbrei a Rainha que entrava, colocando-se diante de mim, encontrando-me trêmula, de respeito e emoção.
E, no entanto, eu hesitava; tinha receio de me aproximar. Ela me tranquilizou e estendeu-me Jesus, criancinha, que levava em seu regaço, dizendo-me: “Ó, tu que amas a meu Filho, recebe Aquele que amas.” Colocou-o em meus braços, dizendo-me: ” Ele estava envolto em panos e tinha os olhos fechados como se dormisse.” A Rainha se sentou. Parecia extenuada. Seus gestos eram tão belos, sua atitude tão maravilhosa, sua pessoa tão nobre, sua aparência tão sublime, que meus olhos não podiam fixar-se somente em Jesus, sendo forçados a olhar, igualmente, para a Sua mãe.
De repente, a criança despertou em meus braços. Os panos que a cobriam caíram por terra, ela abriu os olhinhos e olhou para mim. Com aquele olhar, Jesus Menino me dominou, vencendo-me completamente. Como chama ofuscante o esplendor do seu olhar e a sua alegria brilhavam. Era de cegar… Então, Ele surgiu em sua majestade imensa, inefável, e me disse: “Aquele que não me enxergou criança, pequenino, jamais me verá grande.” E acrescentou: “Vim até você e estou me oferecendo a você para que você se ofereça a Mim.”

Santa Angela de Foligno
Livre des visions et instructions n° 45 (Livro das visões e instruções, nº 45)

Vem aí...

sábado, 24 de abril de 2010

Boa Nova de Hoje para Você


Será que vocês também querem ir embora?
Jo 6:60-69

Muitos seguidores de Jesus ouviram isso e reclamaram: - O que ele ensina é muito difícil! Quem pode aceitar esses ensinamentos? Não disseram nada a Jesus, mas ele sabia que eles estavam resmungando contra ele. Por isso perguntou: - Vocês querem me abandonar por causa disso? E o que aconteceria se vocês vissem o Filho do Homem subir para onde estava antes? O Espírito de Deus é quem dá a vida, mas o ser humano não pode fazer isso. As palavras que eu lhes disse são espírito e vida, mas mesmo assim alguns de vocês não crêem. Jesus disse isso porque já sabia desde o começo quem eram os que não iam crer nele e sabia também quem ia traí-lo. Jesus continuou: - Foi por esse motivo que eu disse a vocês que só pode vir a mim a pessoa que for trazida pelo Pai. Por causa disso muitos seguidores de Jesus o abandonaram e não o acompanhavam mais. Então ele perguntou aos doze discípulos: - Será que vocês também querem ir embora? Simão Pedro respondeu: - Quem é que nós vamos seguir? O Senhor tem as palavras que dão vida eterna! E nós cremos e sabemos que o Senhor é o Santo que Deus enviou.

Os 10 mandamentos dos motoristas


1. Não matarás.

2. A estrada deve ser para ti um meio de conexão entre pessoas e não um

local com risco de vida.

3. Cortesia, sinceridade e prudência te ajudarão a lidar com eventos imprevistos.

4. Seja caridoso e ajude o próximo em necessidade, especialmente vítimas de acidentes.

5. Carros não devem ser para ti uma expressão de poder e dominação, e uma ocasião para pecar.

6. Caridosamente convença os jovens e os não tão jovens a não dirigir quando não estiverem em condições de fazê-lo.

7. Ajude as famílias de vítimas de acidentes.

8. Una motoristas culpados e suas vítimas, no momento oportuno, para que possam passar pela libertadora experiência do perdão.

9. Na estrada, protegeis os mais vulneráveis.

10. Sinta-se responsável pelos outros.

Existe destino?


É mais simples do que você pensa!
Somente sabe para onde vai, quem sabe de onde veio. E você?
Refletir assim nos ajuda a tomar consciência sobre o caminho que estamos escolhendo a todo momento.
Lembre-se de que: sabe para onde vai quem sabe de onde veio!
Muitos de nossos problemas estão na ausência de um senso de direção.

Ricardo Sá

Pastoral de Católicos na Política critica PNDH-3

A Pastoral de Católicos na Política da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro e do Leste 1 divulgou uma nota sobre a proposta de implementação do Programa Nacional de Direitos Humanos 3 proposta pelo Governo.

1. O Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) suscita graves preocupações não apenas pela questão do aborto, do casamento de homossexuais, das adoções de crianças por casais do mesmo sexo, pela proibição de símbolos religiosos nos lugares públicos, pela transformação do ensino religioso em história das religiões, pelo controle da imprensa, a lei da anistia, etc, mas, sobretudo, por uma visão reduzida da pessoa humana. A questão em jogo é principalmente antropológica: que tipo de pessoa e de sociedade é proposto para o nosso país.

2. No programa se apresenta uma antropologia reduzida que sufoca o horizonte da vida humana limitando-o ao puro campo social. Dimensões essenciais são negadas ou ignoradas: como a dignidade transcendente da pessoa humana e a sua liberdade; o valor da vida, da família e o significado pleno da educação e da convivência. A pessoa e os grupos sociais são vistos como uma engrenagem do Estado e totalmente dependentes de sua ideologia.

3. Os aspectos positivos, que também existem, e que constituíram grandes batalhas da CNBB e de outras importantes organizações da sociedade civil, são englobados dentro de um sistema ideológico que não respeita a concepção de vida humana da grande maioria do povo brasileiro. Por isso, são de grande valia os pronunciamentos de tantos setores da sociedade, que mostraram profunda preocupação com as consequências da aplicação desse Programa.

4. Nesta 3ª edição do PNDH, estamos diante de uma cartilha de estilo radical-socialista, que esta sendo implantada na Venezuela, no Equador e na Bolívia, e que tem em Cuba o seu ponto de referência.

5. Trata-se de um projeto reduzido de humanidade destinado a mudar profundamente a nossa sociedade.

6. Vida, família, educação, liberdade de consciência, de religião e de culto não podem ser definidos pelo poder do Estado ou de uma minoria. O Estado reconhece e estrutura estes valores que dizem respeito à dignidade última da pessoa humana, que é relação com o infinito e que nunca pode ser usada como meio, mas é um fim em si mesma. A fonte dos direitos humanos é a pessoa e não o Estado e os poderes públicos.

7. O programa do Governo é um claro ato de autoritarismo que enquadra os direitos humanos num projeto ideológico, intolerante, que fez retroceder o país aos tempos de ditadura.

8. Diante desse instrumento de radicalização, somos todos interpelados face às ameaças que dele derivam à eficácia de valores vitais, como os da vida, da família, da pessoa, do trabalho, da liberdade e da Justiça.

9. Os membros da Pastoral de Católicos na Política da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro e do Leste 1, posicionam-se fortemente contra tal programa e desejam ver bem discutidas estas propostas de modo a transformá-las, de ameaça que são, em um esforço útil a todo o Povo Brasileiro.

Papa destaca missão da Igreja nos meios de comunicação

Parte da Home do site oficial do Vaticano

O Papa Bento XVI recebeu na manhã deste sábado os participantes do encontro nacional intitulado "Testemunhas digitais. Rostos e linguagens na era da mídia", promovido pela Conferência Episcopal Italiana.
Bento XVI destacou em seu discurso que o nosso tempo abriu as fronteiras para a comunicação e que a missão da Igreja e de toda pessoa que trabalha nos meios de comunicação é salvaguardar a qualidade das relações humanas e atender às pessoas e suas necessidades espirituais, oferecendo aos homens que vivem nesta era digital os sinais necessários para reconhecer o Senhor. Vários profissionais italianos do mundo da comunicação participaram do encontro, que se realizou em Roma.
O Papa convidou os participantes a fazerem dos meios de comunicação um caminho que conduza à Palavra de Deus. "Como animadores da cultura e da comunicação, vocês são os sinais vivos de que os modernos meios de comunicação fazem parte dos instrumentos cotidianos, através dos quais as comunidades eclesiais se expressam. Através deles é possível entrar em contato com o próprio território e instaurar formas de diálogo a longa distância".
O Pontífice exortou os profissionais da comunicação a continuarem nutrindo em seus corações uma saudável paixão pelo ser humano. "Que vocês sejam ajudados por uma sólida preparação teológica e pela profunda e alegre paixão por Deus, alimentada pelo contínuo diálogo com o Senhor".
O Santo Padre citou alguns meios de comunicação que estão a serviço da Igreja na Itália, como o jornal da CEI, Avvenire, a emissora televisiva TV 2000, a rede de rádios inBlu e a agência SIR (Serviço de Informação Religiosa), além de jornais e vários sites de inspiração católica.

Ao concluiu seu discurso, Bento XVI agradeceu os participantes do encontro pelo serviço prestado à Igreja e ao ser humano, e invocou sobre todos eles a proteção da Virgem Maria e dos grandes santos da comunicação.

Criança é curada no ventre materno através da fé em Jesus Eucarístico

Márcia Santos
Bebê é curado no ventre materno e a mãe afirma que o milagre aconteceu por meio de sua fé em Jesus Cristo na Eucaristia.
Márcia Santos, grávida do quinto filho, recebeu a notícia de que o feto tinha um cisto no cérebro. Numa quarta-feira, ouvindo a Santa Missa pela Rádio Canção Nova, ela viveu uma experiência que mudou a sua vida. Após trinta dias comungando na celebração da Santa Missa, os resultados dos exames demonstraram que a criança havia sido curada. "Hoje, para a honra e a glória do Senhor, eu posso dizer: O Corpo e o Sangue de Cristo salvam, curam e libertam", comemora.

Testemunho
“Olá, internautas! Meu nome é Márcia Santos, sou de Cachoeira Paulista (SP), tenho 37 anos, e gostaria de passar para vocês uma experiência que tive com Jesus na Eucaristia. Neste tempo de gestação do meu filho, que se chamará Miguel, recebi esta graça através do Corpo e do Sangue de Jesus Eucarístico.

Eu estou com 33 semanas de gravidez, mas eu não sabia que estava grávida no início. Tive pneumonia, estava tomando remédios fortes e foi nesse período que o médico descobriu que eu estava grávida de três para quatro meses. Ao fazer os exames ele descobriu um cisto no cérebro do neném e um líquido numa certa parte desse órgão, por isso disse que era necessário fazer uma cirurgia, pois aquele cisto poderia crescer e que precisaria de acompanhamento.

Ultrassonografia do Miguel na 33ª semana de gestação

Numa quarta-feira, ouvindo a Missa com padre Roger Luís pela Rádio Canção Nova, eu ouvi quando ele falou assim: “Deixe Jesus entrar na sua casa hoje, deixe-O fazer um milagre na sua vida!”. Eu me lembro bem de que eu estava sentada no sofá da minha casa, com os olhos até colados de tanto chorar e vi quando, lá no fundo do meu coração, Jesus entrou, tocou na minha barriga e falou para mim: 'Em trinta dias Eu curo o seu filho. Em trinta dias Eu faço um milagre na sua vida se você buscar o Meu Corpo e o Meu Sangue, se você buscar a Eucaristia. A cada Eucaristia que você tomar Eu troco o líquido pelo sólido'. Foram essas as palavras de Jesus para mim.
Eu comecei a ir à Missa no meu bairro todos os sábados, quando tinha Missa na quinta-feira eu também participava. Trinta dias depois, eu fiz um outro exame e já não tinha mais cisto nenhum, não tinha mais líquido nenhum! E hoje para honra e glória do Senhor, eu posso dizer: O Corpo e o Sangue de Cristo salvam, curam e libertam!

Eu gostaria de falar com você que é sócio desta obra de Deus, onde quer que você se encontre, talvez você esteja sofrendo com a mesma dificuldade ou quem sabe esperando por um milagre como eu estava. Eu gostaria de agradecer a você, porque é por sua causa, por sua boa vontade e contribuição que o padre Roger chegou à minha casa através das ondas da Rádio”.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Papo Rápido:Seja radical

No trono do nosso coração está Jesus, por isso não podemos dar trela ao inimigo. Assim, não tome o primeiro gole, não jogue a primeira partida de baralho, não fume o primeiro baseado, não ceda ao primeiro programa, não dê brecha ao seu inimigo, ao príncipe deste mundo. Seja RADICAL! "Não deis nenhuma chance ao diabo" (Ef 4,27).
Até mesmo os espíritos malignos reconhecem o senhorio de Jesus e são obrigados a admitir Sua divindade. É preciso também que todos os homens saibam, proclamem e confessem que Ele é o Santo de Deus, o Altíssimo, o Filho amado que se fez homem para a nossa salvação. Os céus, a terra e até o próprio inferno haverão de reconhecer e proclamar Jesus homem como Deus, Rei e Senhor.
Especialmente nós, combatentes, precisamos saber de que lado estamos, a favor de quem e contra quem estamos combatendo. Não podemos viver a esmo. Satanás sabe que pouco tempo lhe resta, por isso, investe pesado para arrancar das mãos de Jesus aqueles que Lhe pertencem.

Olha Curva...

Acelerou além da conta, cantou pneu… Freou com tudo na chuva, derrapou…
Entrou em alta velocidade na curva?
Não entre! Pois você não vai sair de lá da melhor maneira possível…
No mundo que nos cerca estamos acostumados a ver as leis de causa e efeito bem claramente: fez, sofreu!
Na nossa dimensão espiritual, não é tão simples assim… embora a lei universal: “o salário do pecado é a morte!” (Rm 6, 23) continue valendo, nem sempre a vemos de maneira tão clara quanto a nossa viagem de carro aí em cima. Às vezes esta “derrapagem” leva dias, meses ou anos pra nos jogar no abismo… e aí tem gente que inventa que o, abismo “não existe”, só porque está demorando pra cair lá!!
Veja Adão e Eva: não foram avisados que, se comessem do fruto CERTAMENTE morreriam?
A gente fica esperando que o “empacotamento” venha logo depois da mordida da maçã… Não veio. Não é como a “branca de neve”…
No entanto, morreram ou não morreram? E foi assim que colocaram a morte no mundo.
Meu irmão, minha irmã! Vim aqui te convidar a não manter “pecadinhos sem consequência”… Todo pecado (não existe “inho”) nos afasta de Deus e nos leva pra morte. PHN! Por Hoje Não Vou Mais Pecar! Faça uma limpeza total, não brinque com sua vida eterna como você não brinca com sua vida na estrada!Acredite, o abismo existe e ele está no final desta curva que você está vivendo! Pra que passar reto? Vire, vamos juntos fazer a conversão nesta estrada!
Partilhe aqui de quais “curvas” da vida você quase passou reto e foi pro buraco! Como você vive o PHN hoje?
Flávio Crepaldi
Equipe PHN - TVCN

DEUS NÃO FAZ PROPAGANDA

O filósofo francês, Voltaire, mesmo se confessando ateu e inimigo da Igreja, não podia deixar de dizer que: “O mundo me perturba e não posso imaginar que este relógio funcione e não tenha tido relojoeiro”… Os latinos chamaram o universo de mundo (= belo, lindo, maravilhoso); os gregos o chamaram de kosmos (= disciplinado, ordenado).

Todos os astros obedecem a rigorosas leis da mecânica celeste, e nenhum deles muda a sua trajetória por própria conta. Alguém já disse que : “Deus não fala, mas tudo fala de Deus.” São Paulo nos lembra na Carta aos Romanos que: “Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade se tornam visíveis à inteligência por suas obras.” (Rom 1,19)
Você pode chegar a Deus olhando a natureza e olhando para dentro de você. Deus é silencioso e discreto; Ele não faz sua auto propaganda. Ele não coloca placas em cada rosa, em cada pássaro, ou em cada criança, com os dizeres: “Feito por Deus”. Ele não é como os homens. Ele não põe na embalagem das frutas o seu nome, e nem mesmo diz que o Seu produto é o “melhor” do comércio, como todos fazem.

Você nunca viu escrito nas ondas do mar e nem nas estrelas: “Criado por Deus”. O mundo é tão belo, tudo funciona tão automaticamente bem e de forma cientificamente tão perfeita, e silenciosa, que a filosofia moderna tende a eliminar a necessidade de Deus, como se tudo pudesse existir a partir do nada. Chegaram até a falar da “morte de Deus”.

A filosofia da “morte de Deus” desembocou na filosofia do desespero e da morte também do homem. São Tomás de Aquino disse que “quanto mais o homem se afasta de Deus, mais se aproxima do seu nada.” Há maravilhosas e complicadíssimas reações físico-químicas em todas as criaturas, mas você não vê o Físico-Químico responsável.Há uma precisão matemática tão grande no movimento dos astros, que até acertamos o nosso relógio por eles, mas você não vê o grande Matemático desta obra. Ele não faz propaganda do seu Nome. Ele nunca aparece para receber os aplausos da platéia… Ele faz o Sol nascer todos os dias, rigorosamente… Ele faz a Lua girar em torno da Terra e refletir a luz do Sol… Ele faz cada Planeta girar em torno do Sol em uma órbita perfeitamente elíptica, com o astro rei no foco da cônica… Ele faz os elétrons girarem em torno do núcleo do átomo, obedecendo aos níveis de energia… Ele faz a terra germinar o grão e nascer a haste; a haste crescer e dar a espiga…

Jovem, você já pensou nisso? A natureza é como que um espelho através do qual se pode ver o “Rosto” de Deus. Ela é como uma “Carta de amor” que Ele escreveu para você. Aprenda a lê-la. É como aquele namorado apaixonado, que querendo demonstrar o seu amor à namorada escreveu o nome dela numa faixa de rua, depois, no muro da sua casa, e enfim, alugou um avião para poder jogar pétalas de rosas sobre a sua casa… Tudo para provar o seu amor!
Deus também faz assim conosco. Mas é preciso abrir os olhos para ver o seu amor. Nós estamos na Terra; um grão de areia no universo. Giramos ao redor do Sol com uma velocidade de 30 km/s ou 108 000 km/h; e o Sol gira ao redor da galáxia a 320 km/s, levando 250 milhões de anos para dar uma volta completa. Parece um sonho, mas é uma realidade, e nós estamos aí.

E é aí, como que no “ventre” do universo, na Terra, que a vida humana surgiu. Não sabemos se há vida em outros lugares; até agora nada há de confirmado pela ciência séria. Alguém disse que quando a vida humana surgiu na terra, “o universo exultou de alegria”. Foram necessários bilhões de anos para que a matéria inanimada chegasse até o homem, conduzida pela mão de Deus.
Os cientistas já sabem que há 300 milhões de anos a vida vegetal e animal já fervilhava sobre a face da terra. Quando o Gênesis narra a criação do mundo, de uma maneira poética mas reveladora, diz que após cada um dos seis dias, “Deus viu que tudo era bom”. (Gen 1, 10-25)

Tudo obedece um plano, uma idéia. Cada um de nós é um milagre da “engenharia” de Deus. Pense no seu cérebro, nas suas mãos, nos seus olhos…; e ainda mais, na sua inteligência, liberdade, vontade, capacidade de amar, sorrir, chorar, cantar, abraçar… Você é um milagre de Deus! O mundo é belo; a vida é bela; nada é absurdo!

Prof. Felipe Aquino – www.cleofas.com.br

Mais de 200 milhões de cristãos sofrem discriminações


O arcebispo Celestino Migliore, núncio apostólico e observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas, disse em Nova York, durante sua intervenção na 64ª sessão da Assembléia Geral da ONU sobre a promoção e defesa dos direitos humanos, em 21/10/2009, que ainda que “não exista nenhuma religião no mundo que esteja isenta de discriminação”, a cristã é a mais perseguida.

“Está bem documentado que os cristãos são o grupo religioso mais discriminado”. “Mais de 200 milhões deles, de várias confissões, encontram-se em situações de dificuldade devido a estruturas legais e culturais que conduzem a sua discriminação”.

“Apesar de ser repetidamente proclamado pela comunidade internacional e especificado nos instrumentos internacionais e nas Constituições da maior parte dos Estados”, o direito à liberdade religiosa “continua sendo hoje violado de uma maneira ampla”, constatou.
Nos últimos meses, recordou, alguns países da Ásia e do Oriente Médio viram as comunidades cristãs “atacadas, com muitos feridos e mortos”, e “igrejas e casas presas das chamas”.

Estas ações, assinalou, “foram cometidas por extremistas em reposta às acusações realizadas contra algumas pessoas em base às leis antiblasfêmia”.
As disposições legislativas sobre a blasfêmia, prosseguiu, “convertem-se com muita facilidade em uma oportunidade, para os extremistas, de perseguir os que escolhem livremente seguir uma tradição de fé diferente”. E têm sido utilizadas para “fomentar a injustiça, a violência sectária e a violência entre religiões”, acrescentou.

“A cooperação entre as religiões – concluiu o arcebispo – é um requisito para a transformação da sociedade”, porque “realmente é possível construir uma cultura da tolerância e da coexistência pacífica entre os povos”.

Fonte: Nova York, 28 de outubro de 2009 (ZENIT.org).

O TERCEIRO SEGREDO DE FÁTIMA


No dia 26 de junho deste ano foi revelado, com a devida autorização do Papa, o falado terceiro Segredo de Fátima, que tanta curiosidade, medo, às vezes pavor, despertava no povo. Na verdade houve muita fantasia prejudicial às pessoas. Nas suas três partes o Segredo nada tem de previsões sobre o fim do mundo, e nem catástrofes ou flagelos.
Com a revelação do Segredo, feita através da Sagrada Congregação da Fé, com uma interpretação feita, a pedido do Papa, pelo cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da citada Congregação, viu-se que se trata de uma visão do século XX, século este impregnado de mártires do comunismo, do nazismo e de outras forças inimigas da Igreja e de Deus. Milhões morreram pela fé.
Antes de tudo é preciso lembrar que esta visão, não é artigo de fé obrigatório à crença dos católicos, embora a Igreja reconheça a sua autenticidade, especialmente no apelo que faz à oração, `a conversão e à penitência.

Na entrevista que D.Tarcísio Bertone, Secretário da Congregação da Doutrina da Fé, teve com a Irmã Lúcia, por ordem do Papa, em 27 de abril deste ano, no Carmelo de Coimbra, onde vive a Irmã, esta, lúcida e calma, concordou com a interpretação do Segredo, segundo a qual a terceira parte do Segredo de Fátima consiste numa visão profética, comparável às da história sagrada. Ela reafirmou a sua convicção de que a visão de Fátima se refere sobretudo à luta do comunismo ateu contra a Igreja e os cristãos, e descreve os duros sofrimentos das milhões de vítimas do século XX.
Irmã Lúcia confirmou que a principal personagem do Segredo era o Papa, e recordou como os pastorinhos tinham pena dele.

Com relação ao “Bispo vestido de branco” (o Papa) que é ferido de morte e cai por terra, a Irmã concordou plenamente com a afirmação do Papa João Paulo II: “Foi uma mão materna que guiou a trajetória da bala e o Santo Padre deteve-se no limiar da morte” (Meditação com os Bispos italianos na Policlínica Gemelli, 13 de maio de 1994).
É interessante destacar o que diz a Irmã Lúcia: “Eu escrevi o que vi; não compete a mim a interpretação, mas ao Papa.” A ela foi dada a visão, não a interpretação. Mais uma vez vemos aí a importância da Igreja e do Papa. E a Irmã concordou com a interpretação dada pela Igreja. Na interpretação do Segredo, já bastante publicado e conhecido, feita pelo Cardeal Ratzinger, alguns pontos merecem ser destacados:

1 - A palavra chave da primeira e segunda parte do Segredo, é “salvar as almas”; a palavra chave da terceira parte é “Penitência, penitência, penitência”. O cardeal lembra que a Irmã Lúcia lhe disse que o objetivo de todas as aparições era fazer crescer cada vez mais a fé, a esperança e a caridade.

2 - A visão do anjo com a espada de fogo representa o perigo da destruição da humanidade por ela mesma, através da guerra e outras formas; o brilho da Mãe de Deus aparece como a força capaz de vencer as forças da terrível destruição.

3 - O sentido da visão não é mostrar um filme sobre o futuro, mas uma forma de orientar a liberdade humana a buscar o bem. Há que se evitar, portanto, as interpretações fatalistas do Segredo, como se tudo já fosse traçado para acontecer, sem respeitar a liberdade dos homens. O futuro é visto como que num espelho, de maneira simbólica.

4 - Três sinais aparecem: uma montanha alta; uma grande cidade meio em ruínas e uma grande cruz de troncos toscos. A montanha e a cidade são o lugar da história humana, de convivência, mas de luta; como uma subida árdua onde o homem destrói, com as próprias mãos, o que ele mesmo construiu (cidade em ruínas). No alto da montanha está a Cruz, meta e orientação da história humana, sinal da miséria humana e promessa de salvação.

A visão mostra o caminho da Igreja como uma Via Sacra, ladeado de violência, destruição e morte, mas de esperança.

Diz o cardeal que nesta imagem pode-se ver a história de um século que se finda. O século dos mártires, dos sofrimentos e das perseguições à Igreja. Século de duas guerras mundiais e de muitas guerras locais. No espelho desta visão vemos passar os testemunhas da fé deste século.
O cardeal faz questão de recordar o que a Irmã Lúcia disse ao papa João Paulo II, em 12 de maio de 1982, um ano após o atentado que ele sofreu: “A terceira parte do segredo se refere às palavras de Nossa Senhora: “Se não [a Rússia] espalhará os seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão m martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas.”
Os Papas deste século tiveram um papel preponderante na árdua “subida da montanha” do Segredo. Desde Pio X até João Paulo II, todos os Papas sofreram no caminho que leva à Cruz.

5 - Destaca o cardeal que o fato do Papa não ter não ter morrido no atentado de 13/5/81, significa que não existe um destino imutável (na visão o Papa aparece morto), e se a Mão de Nossa Senhora guiou a bala para que não o matasse, é porque a força da oração e da penitência é maior do que as balas, e a fé é mais poderosa do que os exércitos. Tudo pode ser mudado pela oração e conversão!

6 - Por fim a visão mostra os anjos que recolhem da cruz o sangue dos mártires e com ele regam as almas que se aproximam de Deus. O sangue de Cristo e o dos mártires são vistos juntos, a significar que o nosso sofrimento completa a salvação do mundo (Cl 1, 24). O sangue dos mártires é semente de novos cristãos, como dizia Tertuliano. E assim, o terceiro segredo termina com uma forte mensagem de esperança: nenhum sofrimento é vivido em vão, se é acolhido na fé.
É de todo o sofrimento e de todo o sangue derramado pela Igreja no século XX, que brotarão as forças de um novo cristianismo no século XXI. Haverá uma forte purificação e um renovamento que já se faz sentir no coração da Igreja. É a eficácia salvífica que brota do sangue de Cristo misturado ao dos seus mártires.

7 - Os acontecimentos a que se refere o Segredo já são do passado; fica o permanente apelo à oração e à penitência para a salvação das almas. O cardeal termina dizendo que a certeza de Nossa Senhora, de que por fim “o meu Imaculado Coração triunfará”, significa que um coração voltado inteiramente para Deus, é mais forte do que as pistolas ou as outras armas de fogo. A mensagem do terceiro segredo é uma mensagem de confiança no Cristo que venceu o mundo (cf Jo 16, 33).